Hélder Mestre e Cristiano Pereira em sétimo e Mário Trindade em oitavo, conquistaram esta terça-feira mais três diplomas Paralímpicos nos Jogos do Rio 2016.
 

Hélder Mestre terminou a final de 100 metros T51 (cadeiras de rodas) na sétima posição com o tempo de 24.35 sendo, reconhecendo que a temperatura acima dos 35 graus às 11:00 “também não ajudou”, mas reconheceu que “esse é um problema que afeta todos”.
 

“Na partida parece que fiquei um bocadinho ‘adormecido’”, afirmou, acrescentando: “vai ser melhor nos 400 metros, que vou disputar dia 17”.
 

Nos 400 metros T52, Mário Trindade, que já tinha conquistado um diploma nos 100 metros, onde foi sexto classificado, foi desta feita oitavo classificado com 65.35 segundos.
 

“Estou satisfeito por ter marcado presença em duas finais, mas não com a prova de hoje”, disse o atleta.
 

Mário Trindade explicou que não conseguiu puxar ao máximo no início da prova, explicando: “Senti-me a baloiçar na cadeira. Quando dei a segunda puxada, o meu corpo fugiu na cadeira, tenho de perceber o que se passou”.
 

A finalizar a jornada de hoje para as cores portuguesas, Cristiano Pereira foi sétimo classificado na final dos 1500 metros T20 (deficiência intelectual), terminando com o tempo de 3:59.92 minutos.