Sobre a proposta da Associação Europeia de Atletismo de anular todos os recordes da Europa e do Mundo anteriores a 2005, a Federação Portuguesa de Atletismo manifesta publicamente a sua posição.
 

A FPA estranha a divulgação pública de uma proposta desta natureza sem que a mesma tenha sido debatida na Convenção da Associação Europeia com todas as Federações Membro. A Convenção não mandatou o Conselho para tomar qualquer posição pública em relação a esta matéria sensível. A medida até pode ser interessante, uma vez que atua sobre recordes que podem ter sido obtidos com recurso a substâncias proibidas, mas será sempre uma injustiça para os atletas limpos, que ao perderem os seus recordes são tratados como se fossem atletas dopados, vendo os seus recordes apagados das listas.
 


Esta proposta, a ser aprovada, não assegura que a partir de agora todos os resultados obtidos o sejam de forma “limpa”, devendo também a nossa preocupação, bem como a preocupação das instituições internacionais com responsabilidade na matéria, cair sobre a prevenção e sobre a investigação à origem dos casos existentes.


A Federação Portuguesa de Atletismo foi pioneira em Portugal no desenvolvimento de um Programa Educacional Antidopagem, em 2008, seguindo as recomendações internacionais e mantém atualmente, em cooperação com a ADoP, um programa de controlo de dopagem em competição e fora de competição.