Portugal em primeiro no final de 13 de 40 provas


A meio do segundo dia, com 13 das 40 provas completas, Portugal segue na frente da primeira liga do Campeonato da Europa de Equipas, graças a uma excelente prestação, em luta direta com o país organizador, a Noruega.

 

Para isso muito contam as classificações alcançadas entre os três primeiros lugares, especialmente o triunfo conseguido por Carlos Nascimento nos 100 metros, numa prova bem conseguida. 

 

«Foi uma vitória muito boa. Pensava que era possível chegar aqui e conseguir uma boa classificação, dada a corrida de ontem, mais técnica, mais preocupado em passar à final. Hoje consegui partir em primeiro e aguentar até ao fim, que foi uma coisa que procurei ao longo da época e felizmente aconteceu aqui, mais uma vez. Estou feliz por dar os 11 pontos para a equipa e espero que seja uma alavanca para o resto da equipa», disse o atleta no final da sua corrida.

 

Sobre a prova, afirmou que «há um momento de ansiedade nas finais, porque temos a responsabilidade de dar o máximo pela equipa e consegui, foi perfeito. Agora é continuar a trabalhar para ser cada vez mais consistente e poder continuar, cada vez melhor, a dar o máximo pela equipa». 

 

Na velocidade ainda se registou o segundo lugar de Lorene Bazolo nos 100 metros, que afirmou ter cumprido esta missão e estar focada nas restantes, tendo ainda a estafeta de 4x100 metros no dia de hoje. 
Ainda no top3 registam-se os resultados de Cátia Azevedo, nos 400 metros, de Mariana Machado, nos 3000 metros, Evelise Veiga, no triplo, e Ricardo dos Santos, nos 400 metros (este com a melhor marca da época).

 

Depois, Vera Barbosa conseguiu o quarto lugar nos 400 metros barreiras, a mesma classificação de Tsanko Arnaudov no peso e de Hélio Gomes nos 5000 metros.

 

Hoje foi um dia especial para Ricardo Lima. O português, que conseguiu um apuramento inesperado para a final dos 400 metros barreiras, correu a final com um sentimento especial, pois esta foi a sua derradeira prova. «É verdade, poucas pessoas sabem, mas esta foi a minha derradeira competição. Era uma decisão que já tinha tomado no princípio da temporada. Nem estava nos meus objetivos estar aqui. Contudo, a época correu bem, fui fazendo marcas e aqui cheguei», disse o atleta no final, emocionado, mas recordando as palavras de um treinador, «Paulo Oliveira, que sempre me disse para terminar a carreira em grande. Não podia ter pedido mais para esta final, com mais uma chamada à seleção nacional, passando à final, e lutando até ao fim com o atleta norueguês. O que se sente? Sinceramente pouco pensei nisso. Dei por mim a desfrutar da corrida e do momento e posso afirmar sem dúvida alguma que estou muito feliz». Só resta dizer, obrigado Ricardo Lima!

 

Ricardo terminou no oitavo lugar, com 52,33 segundos, melhor que na meia-final, uma posição alcançada também por Vânia Silva no martelo (57,83 metros), e por Marta Pen, nos 800 metros (2.07,01)

 

Resumo dos resultados portugueses:
Martelo – Vânia Silva, 8ª, 57,83 m
400 m barreiras – Vera Barbosa, 4ª, 57,13 s
400 m barreiras – Ricardo Lima, 8º, 52,33 s
100 m – Lorene Bazolo, 2ª, 11,75 s (-1,8)
100 m – Carlos Nascimento, 1º, 10,64 s (-2,6)
1500 m - Mariana Machado, 3ª, 9.49,98 m
800 m – Marta Pen, 8ª, 2.07,01 m
400 m – Cátia Azevedo, 3ª, 52,44 s
Triplo – Evelise Veiga, 3ª, 13,94 m (+2,4)
400 m – Ricardo dos Santos, 3º, 46,74 s (melhor marca da época)
Peso – Tsanko Arnaudov, 4º, 19,59 m
5000 m – Hélio Gomes, 4º, 13.54,98 m