Sete mil estrangeiros inscritos nas duas compeitções

 

O Maratona Clube de Portugal apresentou hoje a edição de 2019 da Maratona (partida em Cascais, passando por Oeiras e terminando em Lisboa) e Meia Maratona de Lisboa (partida na Ponte Vasco da Gama), provas que já contam com mais de 7000 estrangeiros inscritos (4000 nos 42 km, 3000 na meia), e que está em contínua evolução para fazer mais e melhor, como admitiu o presidente do clube, Carlos Móia, que sonha com a reconquista do recorde do mundo da meia maratona para Lisboa, mas refere que há a necessidade de “fazer um percurso mais rápido” para ir ao encontro dos interesses dos atletas, embora tenha já admitido que “não é fácil encontrar um trajeto” novo.

 

Entretanto, o presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, Jorge Vieira, realçou que para além destas grandes competições de massas o atletismo global, nomeadamente o de alto rendimento na pista, “conquistou um importante triunfo na Primeira Liga do Campeonato de Nações, lutando em 2021 com os países da elite europeia”, dando ainda conta da apresentação do mais recente projeto da FPA, que colocará o atletismo, “mais propriamente a corrida, no ensino básico de Portugal, através do ‘The Daily Mile’, iniciativa que já chegou a cerca de dois milhões de crianças”.

 

Para Jorge Vieira, os “êxitos internacionais destes eventos de massas e também dos de alto rendimento são sinónimo do bom estado de saúde da modalidade”.

 

A organização anunciou vários nomes grados do meio-fundo internacional, dentro dos parâmetros para manter as provas na lista das IAAF Road Races Gold Label (a meia maratona) e Silver Label (maratona).

 

Mais informações na página oficial da prova.